“Somos a melhor direção dos últimos 20 anos”

Entrevistado: Francisco Carvalho, presidente do SC Vila Real

Portugal Sport: No ano do centenário do clube a pandemia entrou em Portugal. Qual foi a vossa estratégia para combater as consequências derivadas da propagação do coronavírus?

Francisco Carvalho: A nossa estratégia passou por continuar a pagar aos jogadores. No ano seguinte continuamos sem receita nenhuma e a ser apoiados pelos patrocinadores, direção e presidente. Como diz o ditado, não há dinheiro, não há palhaço.

PS: Muitos clubes perderam atletas da formação. O SC Vila Real conseguiu manter todos os miúdos no clube durante os meses mais drásticos?

FC: Não. Muitos afastaram-se porque os pais não os deixavam vir. Era uma situação perigosa e tivemos de compreender. Neste momento temos 203 atletas a representar o SC Vila Real. Neste momento não temos a patinagem, mas queremos trazer de volta a modalidade. Tive um senhor que fez o favor de lapidar o clube e por isso perdemos a patinagem. Antigamente tínhamos mais de 300 atletas na totalidade.

PS: As forças municipais tem apoiado o clube em termos financeiros?

FC: Dei o beneficio da dúvida ao município nestes três, quatro anos. Mas está na hora de perceberem o que esta direção fez pelo clube nos últimos quatro anos. Já provamos que estamos aqui para ajudar o SC Vila Real. A contrário do passado, esta direção está a aqui para servir o clube e não para se servir dele. Somos a melhor direção dos últimos 20 anos.

PS: Como é que esta direção encontrou o clube, há quatro anos atrás?

FC: Num beco sem saída. Estava no fundo do poço. Sem organização, sem dinheiro, apenas dívidas. Para ajudar à festa a antiga direção não deixou qualquer ata ou qualquer documento. Só chegavam era faturas para pagar.

O SC Vila Real era um clube centenário que não tinha atas, poucos sócios, um cenário completamente absurdo. O nosso primeiro ano na direção serviu para pagar dívidas e criar uma estrutura no clube. Nunca vi uma casa tão mal organizada.

PS: O presidente tinha a noção das condições em que ia encontrar o SC Vila Real?

FC: Não. Nem ninguém tinha. Na última assembleia, a antiga direção apresentou uma dívida inferior a 300 mil euros, quando na verdade passava os 500 mil. Na altura desconfiava que o clube não estava bem, mas não tinha a certeza.

PS: Qual foi o primeiro desafio que teve de enfrentar como responsável pela instituição?

FC: Negociar dívidas. Andei meses a negociar dívidas. Com o Feirense, com a Caixa Agrícola, com toda a gente que tinha para negociar. Foi com acordos de prestação que abatemos a dívida. Logo no primeiro ano abatemos em cerca de 150 mil euros. Com a Caixa Agrícola devíamos 97 mil e consegui que passasse a 34 mil, caso fizesse o pagamento total sem prestações. E houve muitas mais situações deste género.

PS: Hoje, com a divida controlada, até onde pode chegar o SC Vila Real em termos desportivos?

FC: A dívida está controlada. E quem vier depois de mim vai encontrar esta casa toda direitinha. Em termos desportivos, tudo depende dos vila-realenses. Vila Real tem 50 mil habitantes, o SC Vila Real tem 500 sócios. Assim é difícil um projeto ter pernas para andar. Ou os vila-realenses aparecem, ou depois desta direção o destino do clube é o distrital.

PS: Os jogadores do plantel sénior são todos portugueses?

FC: 90%. A maior parte são de Vila Real. E só não são mais porque este ano castiguei alguns, que estavam com demasiados tiques de vedeta. Mas chegamos a ter 15 jogadores de Vila Real.

PS: A formação é portanto um importante alicerce para o clube?

FC: Clubes como o SC Vila Real vivem à custa da formação. E vamos ter duas equipas a subir para os nacionais. Juniores e Iniciados. Precisamos da formação para alimentar os seniores. Para o ano quero subir também os juvenis.

PS: É possível segurar os jogadores, quando são cobiçados por clubes mais poderosos?

FC: Temos o Desp. Chaves que está num patamar acima e vem aqui buscar atletas. E para os miúdos é mais atrativo ir jogar para o Chaves, que tem uma equipa profissional. Mas se o SC Vila Real sobe de divisão, as coisas vão mudar.

PS: A equipa feminina do SC Vila Real vai ser aposta, como vemos a acontecer noutros clubes, que procuram fomentar o futebol feminino em Portugal?

FC: Estamos a apostar. Mas numa casa sem dinheiro é complicado. Tínhamos uma equipa vizinha que foi campeã, com jogadoras que vieram do SC Vila Real. Mas nesse clube elas não tinham de pagar nada, aqui tem de pagar cotas, equipamentos, etc. No entanto estamos a desenvolver as miúdas que aqui ficaram e para o ano tudo poderá ser diferente. Quem ri por último é quem ri melhor. Mas aqui toda a gente paga cotas e paga equipamentos. Não há exceções e todos somos iguais.

PS: Em termos de infraestruturas, vamos ter novidades a médio prazo? O campo do Calvário e o estádio do Monte da Forca vão sofrer alterações?

FC: O campo do Calvário não tem mais por onde crescer. No entanto no Monte da Forca poderemos ter obras e alargamentos. O município conhece o trabalho que desenvolvemos e penso que nos vai dar essa prenda, de nos compor o campo, o sintético, e dar-nos outro campo para trabalharmos. Com o feminino no nacional, os seniores no nacional, duas equipas de formação nos nacionais, a querer ter uma terceira…. Acredito que o município nos vais ajudar nesse sentido.

PS: As portas do SC Vila Real estão abertas a um possível investidor?

FC: Se vierem com boas intenções, eles que apareçam. Venham cá que conversamos. Se vierem para destruir o clube como aconteceu com os Belenenses, o Aves e afins, que não apareçam. No entanto, caso alguém sério queira pegar nos seniores e nós tomamos conta da formação, por mim tudo bem. O SC Vila Real tem pernas para andar.

PS: Nas modalidades, além do voleibol e do regresso da patinagem artística, o clube está disponível a abrir novas secções?

FC: Queremos arrancar com o futsal. Por isso mesmo precisamos de um pavilhão para expandir o nosso clube. Hoje queremos o futsal, mas quem sabe amanhã poderemos querer o hóquei em patins. Com um pavilhão vamos poupar muito dinheiro e vamos ter condições para os atletas se desenvolverem.

PS: Uma mensagem para adeptos e simpatizantes do SC Vila Real?

FC: A mensagem que deixo para todos os sócios e simpatizantes é que apoiem o clube. As contas fazem-se no fim, mas se vocês não aparecerem o clube vai parar ao distrital. O SC Vila Real não pode viver apenas de uma pessoa, seja essa pessoa o Francisco Carvalho ou outro qualquer. Este clube precisa dos adeptos, dos sócios e dos patrocinadores. A receita do clube tem de vir dessa força e do apoio do município.

Acreditem na equipa, apoiem, o clube precisa de vocês.

Compartilhar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

18 − 9 =