Raça Vareira com a força do Mar

A equipa de Basquetebol da Associação Desportiva Ovarense é um dos nomes mais respeitados da modalidade em Portugal e os motivos são óbvios: cinco títulos nacionais, três taças de Portugal, três taças da Liga, oito supertaças e várias presenças em competições internacionais, estes são apenas alguns números que tornam a coletividade de Ovar num verdadeiro gigante do basquetebol em Portugal.

Mas mais importante que o palmarés, são os adeptos da Ovarense. A arena de Ovar, com capacidade para 3 000 pessoas, é palco de um dos ambientes mais frenéticos do desporto em Portugal, fruto da força da “raça vareira”. Se retrocedermos no tempo e voltarmos à velhinha “caixa de fósforos”, encontramos um ambiente que hoje não seria permitido nos pavilhões. O próprio Carlos Lisboa, uma das maiores figuras do basquetebol em Portugal, considerou as visitas a Ovar como as mais complicadas da sua carreira. A ligação dos adeptos com o clube tornou a Ovarense numa das mais carismáticas instituições em Portugal e a paixão pelo basquetebol, fez do clube um dos “grandes” na modalidade. Mais do que o futebol, Ovar é uma terra de basquetebol e o adepto percebe do jogo.

Desde 1996 que a secção de basquetebol se tornou num organismo independente, com a criação da ADO – Basquetebol da Associação Desportiva Ovarense, que conquistaria três dos cinco títulos nacionais do clube.

Em 2021 a Ovarense inicia um novo capítulo na sua história, com a entrada de uma nova direção, que luta diariamente para que o clube regresse ao seu devido lugar. Sem nunca ter descido de divisão, a coletividade de basquetebol de Ovar está há mais de uma década sem o título de campeão e o investimento dos crónicos clubes grandes é evidente. Seja como for, a força da Ovarense nunca esteve nos escudos nem nos euros, mas sim na força de quem ama e sente o clube, nos jogadores que honram a camisola independente dos estatutos e de uma raça característica nesta zona do país, que não se rebaixa perante ninguém. A força vareira equivalente à força do mar.

Compartilhar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

cuatro × tres =