“A maior vergonha que vi em toda a minha vida!”

Portistas indignados e revoltados com arbitragem


Os últimos minutos do jogo entre o Sporting e o FC Porto foram de muita tensão. Com 17 segundos por jogar, o FC Porto tinha os “leões” a dois pontos. No entanto, Shakir Smith colocou o jogo empatado e deixou seis segundos para o FC Porto evitar o prolongamento e levar o campeonato para a invicta.

Os dragões não marcaram e no ressalto houve falta sobre Micah Downs. O sportinguista não falhou e entregou o campeonato aos “leões” na linha de lance-livre.
A decisão da equipa de arbitragem na última posse de bola provocou indignação no FC Porto, que pedia falta sobre Nevels.

Moncho López, um técnico habitualmente calmo, perdeu a cabeça e pontapeou tudo o que apanhou pela frente. Nevels, melhor marcador da partida, partiu o troféu de tal forma que alguns responsáveis da Federação estiveram depois a tentar unir as peças para fazer a entrega do mesmo aos leões. E outros jogadores, como Miguel Queiroz e João Soares, foram ainda protestar com os árbitros antes de seguirem para o balneário e de lá saírem para o autocarro, sem receberem as medalhas de finalistas vencidos.
“Estou sem palavras para o que se passou hoje! A maior vergonha que vi em toda a minha vida! Peço desculpa a todos os que gostam de basket e de desporto pelo que acabaram de assistir! Hoje gozaram connosco e com o trabalho de uma época inteira. Tenho os meus colegas completamente desolados e não consigo suportar não poder fazer rigorosamente nada”, escreveu no Instagram o capitão dos dragões, Miguel Queiroz.

“De terceiro mundo


Moncho López, treinador do FC Porto, também não pouparam nas críticas à arbitragem. “Como é evidente, é difícil opinar neste momento e não deixar sair cá para fora as coisas que pensei e penso. Primeiro, quero dar os parabéns aos meus atletas, pois muitos disseram que o Sporting ia ganhar 3-0 na final e não foi assim. Demonstrámos até ao último segundo do último jogo que tínhamos capacidade para sermos campeões numa época muito difícil por muitas circunstâncias. Parabéns também ao Sporting por ter lutado até ao fim e por ter feito o que fez para contrariar a nossa capacidade competitiva, que foi muito elevada na final. Estou há muitos anos em Portugal e já vi coisas que gosto muito e outras que gosto menos, mas o que aconteceu neste jogo é algo inadmissível. Foi uma arbitragem que mostrou uma clara tendência de prejudicar a nossa equipa e podemos ficar com a jogada final: há uma falta que não se apita sobre um jogador nosso e que nos dava a possibilidade de ir para a linha de lance livre e vencer o jogo. O que aconteceu faz-me lembrar campeonatos de terceiro mundo, nos quais há estratégias para prejudicar um determinado clube. Não quero falar demais, pois se disser tudo o que penso se calhar até estou a cometer um crime», disse o treinador aos canais de informação dos azuis e brancos

“Roubalheira monumental«


Vítor Hugo, o diretor do basquetebol azul e branco, esteve ao lado do treinador e manteve o tom: “Esta final ficou marcada por decisões polémicas sempre contra o FC Porto. Aquilo que se passou hoje foi uma das maiores roubalheiras a que já assisti. Já recebi mensagens do nosso presidente, que está indignado, bem como de outros elementos da direção e até de jogadores de equipas adversárias, que manifestaram o seu espanto por aquilo que aconteceu. Foi uma roubalheira monumental», atirou.

Compartilhar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

5 × 2 =