Bicampeonato é mais um desafio para o leão

O Sporting é o alvo a abater no que à luta do título diz respeito. Os leões quebraram um longo hiato sem levantar o troféu de campeão nacional e preparam-se para tentar o bicampeonato, naquele que é mais um desafio à superação do conjunto liderado por Rúben Amorim.

«A responsabilidade é maior, mas a ideia não mudou, pois temos um ano de experiência, mas os nossos adversários também. Ganhámos um campeonato, mas não mudámos muito desde então. Temos de correr muito e lutar muito, e essa é a grande força», referiu Rúben Amorim durante a pré-época dos leões.

No que toca a reforços, o emblema verde e branco não esteve muito ativo, até porque a prioridade da direção de Frederico Varandas, mas ainda houve espaço para dotar as laterais com mais competência – Esgaio e Vinagre estão de regresso a Alvalade – e ainda contratar o médio Ugarte ao FC Famalicão.

No entanto, há nomes que estão na montra e têm aguçado o apetite de nomes fortes do futebol europeu. Nuno Mendes, Palhinha ou Pote são, por exemplo, jogadores com mercado e que poderão ser transferidos até ao fecho de mercado.

“Sim, claro que estou preparado para perder jogadores, até porque faz parte do processo. Mas para isso é que arranjamos soluções, contratámos mais para a equipa B do que para a A. Chegámos a um ponto em que para substituir os nossos jogadores temos de pagar mais. Por isso, temos de criá-los”, referiu o técnico do Sporting sobre a possibilidade de ver sair alguns ativos antes do começo da I Liga.

“Estamos atentos, obviamente, porque isto não para, não sabemos quem pode sair de um momento para o outro, o futebol é muito incerto. Mas não andamos à procura de jogadores. Sabemos o que queremos e estamos felizes com os jogadores que temos”, garantiu Rúben Amorim.

Os sportinguistas voltaram a festejar nas ruas, o país pintou-se de verde e branco, numa festa que os leões gostariam naturalmente de repetir. Todavia, essa é uma tarefa que, a julgar pela história, não se afigura nada fácil para o plantel de Rúben Amorim. A última vez que tal aconteceu (bicampeonato) foi na década de 50 do século passado. Os verdes e brancos venceram a competição em 1950/51 e nas três épocas seguintes, num tetracampeonato que ficou nos anais do futebol português, mais tarde igualado pelo Benfica e só suplantado pelo penta do FC Porto. Vencer o título em duas temporadas seguidas é, pelo que se percebe, mais um teste à capacidade deste Sporting. Será capaz?

Compartilhar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

veinte − dieciseis =