Os milhões da Champions no meio do turbilhão

O Benfica vive um período conturbado fora das quatro linhas e a detenção de Luís Filipe Vieira, líder da SAD que recentemente renunciou ao mandato, está na ordem do dia, percorrendo páginas de jornais e aberturas de boletins de informação na televisão e rádio. O empresário que nos últimos 20 anos liderou a direção encarnada é acusado dos crimes de burla qualificada ao Fundo de Resolução bancária, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais. Vieira é ainda suspeito de beneficiar José António dos Santos e em prejuízo do Benfica, para gerar uma mais-valia de 11 milhões de euros para o maior acionista privado da SAD encarnada, na sequência de uma OPA, entretanto chumbada.

É neste contexto de pouca pacificação e muitos holofotes extra relvado que o Benfica, agora presidido por Rui Costa, antiga glória do clube, vai trabalhando rumo à nova temporada. O grande desafio proposto no imediato a Jorge Jesus, depois do que aconteceu há um ano, passa pelo apuramento para a Liga dos Campeões, prova que as águias querem estar presentes e assim esquecer o dissabor da época transata, quando caíram aos pés dos gregos do PAOK.

Até chegar à fase de grupos, o Benfica terá de ser mais forte em duas ocasiões. Primeiro, o emblema da Luz terá de eliminar o Spartak de Moscovo na terceira pré-eliminatória e, mais tarde, com adversário a designar, levar a melhor no playoff de acesso à Champions.

Ainda assim, para Jorge Jesus pouco ou nada importa pensar no que virá à frente, mas antes em eliminar os russos, curiosamente treinados por Rui Vitória, o homem que sucedeu a Jesus quando este deixou o Benfica antes de assinar pelo Sporting.


“A pouco e pouco, estamos a trabalhar para um duelo forte com um rival forte, o Spartak. Queremos muito passar esta fase. É importante para todos nós, Benfica. Temos de estar focados, trabalhámos muito bem nestas últimas semanas e acredito que vamos melhorar”, disse o técnico do Benfica em declarações ao canal do clube.

O primeiro jogo com o Spartak de Moscovo aconteceu no dia 4 de agosto, na Rússia, e a 10 do mesmo mês o Benfica vai tentar fechar as contas da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões a seu favor.

Numa altura em que a nação benfiquista está pouco confortável com o que se tem passado com o presidente cessante (Luís Filipe Vieira) e tudo o que isso poderá implicar para o futuro do clube, Jorge Jesus estará também em escrutínio nesta fase precoce da época. Afinal, a grande aposta de Vieira para devolver títulos às águias falhou em toda a linha – o Benfica foi eliminado na pré-eliminatória da Liga dos Campeões, acabou o campeonato nacional em terceiro lugar e perdeu a final da Taça de Portugal contra o SC Braga.

Compartilhar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

5 × 1 =